Sequenciamento pré-natal para alguns genes do autismo pode estar disponível em breve

DE JESSICA WRIGHT – Spectrum News

 

O sequenciamento pode identificar mutações ligadas ao autismo antes mesmo do nascimento de uma criança – especialmente nos casos em que os médicos suspeitam de problemas, é o que dois novos estudos sugerem1,2.

Nestes estudos, os cientistas sequenciaram o DNA fetal apenas quando os ultrassons revelaram o desenvolvimento atípico de membros ou outros órgãos, e deram às famílias apenas os resultados que pareciam explicar esses problemas.

 

Mas há um risco real de que se possa usar a técnica para testar mutações em qualquer feto – e transmitir todos os resultados aos pais – sem a devida supervisão, diz Ronald Wapner, professor de obstetrícia e ginecologia do Instituto de Medicina Genômica de Columbia, quem liderou um dos estudos.

 

Nem todo mundo deveria estar fazendo isso; deve estar nas mãos de pessoas com experiência ”, diz ele.

 

Outros tipos de análises já detectam mutações em um feto: alguns detectam grandes segmentos de DNA que são trocados entre os cromossomos, e outros podem captar cópias ausentes ou duplicadas de fragmentos de DNA.

Os novos estudos estão entre os primeiros a procurar mutações em todo o exoma fetal – essencialmente, a coleção de genes em um genoma.

 

O campo é repleto de questões éticas, incluindo se os pais podem optar por interromper uma gravidez com base nos resultados. Mas os pesquisadores observam que a maioria das mutações encontradas representam sérios riscos à saúde, que podem ser tratados no nascimento ou no útero.

 

“Eu acho que muitas pessoas têm o equívoco de que esses testes são feitos para decidir se deve ou não interromper uma gravidez”, diz Christa Lese Martin, diretora do Instituto de Medicina do Autismo e Desenvolvimento da Geisinger em Lewisburg, Pensilvânia, que não esteve envolvida. nos estudos. “

Para mim, é dar informações às famílias e aos médicos para que eles possam planejar toda a gravidez, o nascimento e identificar melhor as necessidades da família e do bebê”. Resultado significativo: A equipe de Wapner estudou 234 fetos com anomalias detectáveis em um ultrassom, como membros encurtados, excesso de fluido cerebral ou um rim disforme. O teste genético padrão não ofereceu nenhuma explicação para os achados ultrassonográficos.

Na maioria dos casos, os pesquisadores sequenciaram os exomas das células fetais no líquido amniótico, sangue do cordão umbilical ou placenta; em outros casos, coletaram DNA após o nascimento. Em 24 casos, eles encontraram uma mutação que explicava a anomalia do ultrassom. No segundo estudo, os pesquisadores recrutaram 610 mulheres grávidas de 34 clínicas em todo o Reino Unido. Eles sequenciaram 1.628 genes associados ao atraso do desenvolvimento e identificaram mutações relacionadas aos achados ultrassonográficos em 52 fetos.

Eles relataram esses resultados aos pais somente após o nascimento. Juntos, os dois estudos, publicados em fevereiro no The Lancet, identificaram mutações em 15 fetos em um de nove genes relacionados autismo, incluindo TSC2, ANKRD11 e SCN2A. Eles também descobriram novas conexões entre esses genes e problemas anatômicos. Por exemplo, a equipe de Wapner encontrou uma mutação prejudicial conhecida em SCN2A em um feto que tinha excesso de fluido cerebral, um link relatado anteriormente. Os dois estudos analisaram todas as mulheres que compareceram a uma clínica em um período de tempo definido. Juntos, eles implicam que o sequenciamento pode identificar uma causa genética para anormalidades ultrassonográficas em cerca de 10% dos casos.

Os resultados sugerem que o sequenciamento pré-natal deve ser usado na clínica, diz Michael Talkowski, professor associado de neurologia da Universidade de Harvard, que não esteve envolvido nos estudos. Estudos prévios de sequenciamento pré-natal foram “aleatórios e não foram conduzidos com a devida consistência”, diz ele, enquanto os novos estudos fornecem uma referência mais confiável. Talkowski está trabalhando no sequenciamento de todo o genoma fetal, o que pode fornecer melhores resultados, mas esse trabalho é preliminar.

 

DNA circulante:

A extração de células fetais acarreta um pequeno risco de aborto espontâneo. Um terceiro estudo descreve uma abordagem menos invasiva – sequenciamento do DNA fetal circulante no sangue da mãe3.

 

Usando esse DNA “livre de células”, os pesquisadores sequenciaram 30 genes associados a condições severas, como a síndrome de Noonan, relacionada ao autismo; 14 dos genes têm ligações com o autismo. Alguns problemas associados a essas condições, como defeitos cardíacos, podem ser tratados antes ou logo após o nascimento.

Os pesquisadores identificaram uma mutação em 32 dos 422 fetos; seis das mutações estão em três genes ligados ao autismo. Eles até agora confirmaram a presença da mutação em 20 desses casos após o nascimento, relataram em janeiro na Nature Medicine.

 

Esse teste pode ser feito já na nona semana de gravidez, antes que a maioria das anormalidades seja visível em um ultrassom – oferecendo a chance de intervenção precoce, diz Jinglan Zhang, que liderou o estudo.

Atualmente, técnicas que analisam o DNA fetal circulante detectam com confiabilidade apenas três anormalidades cromossômicas, diz Martin. O sequenciamento pode analisar apenas algumas dezenas de genes e pode desencorajar os pais de tentar outros testes que possam fornecer resultados mais informativos.

 

O American College of Medical Genetics and Genomics estabeleceu diretrizes para informar as mulheres sobre as limitações dos testes livres de células4. No entanto, de acordo com um estudo realizado em abril, as empresas não cumprem todas essas diretrizes5.

 

REFERÊNCIAS:

Petrovski S. et al. Lancet 393, 758-767 (2019) PubMed

Lord J. et al. Lancet 393, 747-757 (2019) PubMed

Zhang J. et al. Nat. Med. Epub ahead of print (2019) PubMed

Gregg A.R. et al. Genet Med. 15, 395-398 (2013) PubMed

Skotko B.G. et al. Genet Med. Epub ahead of print (2019) PubMed